Tradução – Vídeo: Deryck ‘MTV – Quando eu tinha 17 anos’

Deryck – “Quando nós tínhamos 17 anos nós convencemos a nossa escola a ter um concerto. Era como uma oportunidade de mostrar nossas bandas ao publico, tinham 3 bandas na nossa escola e todos nos decidimos em fazer um concerto na escola, e ninguém apareceu. E as pessoas que foram, foram para tirar sarro da gente.”

Quase que de imediato Deryck Whibley se tornou o herdeiro de cabelo espetado e cara de irritado aparente ao trono do punk rock. Mas o que ele estava fazendo aos 17 anos? Nascido em 21 de Março de 1980, Deryck fez 17 em 1997. Vamos refrescar nossa memória no que estava acontecendo naquele tempo. As pessoas estavam chocadas e tristes com a morte repentina da princesa do povo em um acidente de carro, em Paris.

 Deryck – “Minha família inteira é da Inglaterra, então quando ela morreu foi uma algo muito grande na minha família.”

 Mais cedo naquele ano a comunidade hip hop tinha seus próprios motivos para estar de luto quando o notável BIG foi baleado em Los Angeles.

Deryck – “Eu não estava realmente por dentro do hiphop, mas todo mundo ouviu sobre isso.”

E na musica, cinco garotas do outro lado do lago começaram a explosão pop teen.

Deryck – “Eu me lembro de ficar pensando, como isso estaria na tv? É simplesmente horrível.”

E o Deryck? Ele era apenas um estudante do colegial, morando num pequeno subúrbio de Toronto, Canadá, chamado Ajax.

Deryck – “Quando eu tinha 17, eu era praticamente o mesmo que eu sou agora, um pouco quieto, um pouco reservado.”

Steve Jocz – “Minha mãe costumava odiar o Deryck, por que ele não falava ao redor de pessoas que ele não conhecia muito bem, pais ou coisas assim. Então a minha mão odiava o Deryck.”

Greig Nori – “Quando eu me encontrei com ele pela primeira vez, ele meio que me lembrou Calvin. Como aqueles personagens de desenho de um garoto peculiar (Calvin & Hobbes).”

Pamela Christoff – “Eu acho que ele era realmente um pouco adiantado de seu tempo. Ele tinha seu cabelo espetado, e acho até que um pouco destacado. Ele parecia como um estudante bem legal.”

Steve Jocz – “Eu conheci Deryck quando estava na nona série, e ele estava na décima. E quando uma amiga dele foi me bater porque eu estava olhando pra ela ou algo parecido, eu nem me lembro mais, então Deryck falou tipo ‘não, ele toca bateria! ‘.”

Deryck – “Então eu não queria andar com todos aqueles atletas metidos, fazer esportes e todo esse tipo de coisa. E então eu simplesmente conheci o Steve, nosso baterista, e ai eu e ele costumávamos andar juntos o tempo todo. Eu não queria entrar em problemas ou coisa assim.”

Pamela Christoff – “Deryck era um garoto excelente que ia a escola todos os dias, e era muito quieto.”

Deryck – “Eu convenci alguns dos meus professores de que eu era um aluno especial (special ed student = aluno com dificuldades para aprender/atraso mental).”

Steve Jocz – “Ele era um cara sorrateiro!”

Greig Nori – “Ele era uma criancinha malandra.”

Deryck – “Eu fiquei fazendo de conta, fiquei dizendo que não entendia como fazer isso… Eu não fazia em toda aula.

Greig Nori – “Ele, ao que parece, simplesmente nunca estava prestando atenção. Aí a professora teve pena dele, porque ela pensava que ele era meio devagar pra aprender.”

Deryck – “Eu não tinha que fazer provas, ou quando tinha, eu podia ir a uma sala especial, e tinha uma open-book test (open book test = prova onde se pode consultar qualquer coisa, caderno, livro, calculadora científica), e eu pegaria a matéria emprestada com outros alunos.”

Greig Nori – “Ele simplesmente faria as provas como se não fossem nada! Olharia pelo livro, responderia tudo, acredita nisso?”

Pamela Christoff – “Eu não duvido nem o condenaria por ter tentado isso.”

Deryck – “Nós tínhamos essa coisa que chamam de “job-placement”. Você escolhe uma carreira que você imagina que gostaria de ter e eles colocam você como um estagiário, ou qualquer coisa. E eu coloquei que eu gostaria de estar num estúdio de gravação. Então eu fui num amigo meu que tinha um pequeno estúdio, para que pudesse me escolher.”

Greig Nori – “Então o amigo que tinha o estúdio disse “sim, você pode vir”, ai ele vai ser um traineer no estúdio, e ele vai aprender todas essas coisas, e ele vai vir todos os dias, a tarde, como um estudante.”

Rob Sound Engineer – “Como estudante, Deryck estava aqui para aprender sobre gravação, e estava aqui para ajudar as bandas com seus set-ups e com os seus sons.”

Deryck – “Foi muito impressionante como ele segurou a posição.”

Rob Sound Engineer – “De inicio ele aprendeu de tudo um pouco. Ele sentia como se tivesse que cumprir a sua promessa com a escola de aprender sobre gravação.”

Deryck – “Eu gostei de estar em um estúdio de gravação e ver as bandas virem.”

Rob Sound Engineer – “Conforme o tempo foi passando, ele foi passando mais tempo ensaiando com a sua banda e usando o estúdio para matar aulas, basicamente.”

Deryck – “Meu amigo diria ‘é ele fez um bom trabalho hoje’, ou ele inventaria algo, e eu tinha um diário para a escola no qual eu escrevia que tinha feito isso e aquilo, ele assinaria, e eu poderia ficar em casa a toa o dia inteiro, basicamente.”

Rob Sound Engineer – “Muitas vezes a professora dele ligava para dar uma checada nele, e eu dizia que ele estava ocupado trabalhando ou gravando o som de alguém. E ela achava estranha porque tudo que ele era pra fazer era olhar, observar e aprender. Ela achou que eu estava trabalhando ele demais.”

Deryck – “Eu consegui a melhor nota que eu jamais tinha conseguido. Essa foi a única coisa que me passou, porque as minhas notas eram tão baixas em qualquer outra classe.”

Rob Sound Engineer – “Na verdade eu dei a ele um A.”

Deryck – “Eu tive apenas um único emprego… e na verdade foi um emprego muito bom de ter.”

Steve Jocz – “Bem, ele trabalhou neste lugar, e teve esse pequeno esquema rolando.”

Deryck – “Eu não posso realmente dizer o nome do negócio porque isso irá incriminar a mim mesmo, mas, isso vendeu muitos produtos.”

Greig Nori – “Eu nem sei o porquê estamos levantando esse assunto agora!”

Deryck – “Nossa chefe era muito preguiçosa, e tinha feito aquilo por 10 anos e não queria ter que tratar da papelada ou alguma coisa assim mais, então nos tivemos que fazer o inventario. Então nos descobrimos meses de trabalho depois que se nos trocássemos os números, então ela nunca iria notar.”

Greig Nori – “De novo, essa é a mente engenhosa de Deryck.”

Deryck – “E em uns quatro meses nos conseguimos uma quantia boa de dinheiro. Nós tínhamos 17 anos e nos não sabíamos o que fazer com aquilo. E nos não podíamos gastar em algo grande.”

Greig Nori – “Eles não podiam comprar nada como equipamentos de musica e tal, porque seus pais iriam perguntar onde eles estavam conseguindo tudo isso.”

Deryck – “Então nos simplesmente gastamos milhares de dólares em coisas realmente estúpidas.”

Steve Jocz – “Você sabe, nos andávamos pela nossa cidade em taxis e dávamos gorjetas ao motorista de 50 conto.”

Greig Nori – “Pelo o que eu sei, eles usaram o dinheiro para pegar limosines ate Toronto, eles e seus amigos.”

Deryck – “Nos pagávamos almoço para 20 pessoas na escola.”

Steve Jocz- Eu comprava caixas de cigarro o tempo todo, eu era o único do colégio que poderia permitir-se um hábito de tempo integral, de um maço inteiro por dia.

Deryck – Nós alugamos um ônibus escolar um dia, levamos 50 pessoas da nossa escola até o lugar onde íamos fazer um show.

Greig Nori – Nunca vi alguém fazer planos tão elaborados desse jeito e que consegue pôr esses planos em prática.

Deryck – Trabalhei lá durante alguns meses e depois fui demitido.

Anúncios

um comentário

  1. HAHA, sempre espertos!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: