TRADUÇÃO: Q&A COM O SUM 41 NO SITE DO PLEDGEMUSIC

23

Não há coisa melhor que os fãs amaria mais do que a chance de se sentar com seus artistas favoritos e perguntar-lhes uma pergunta ou dez. Sum 41 sabe o valor de uma forte ligação com os fãs e, recentemente, ficaram disponível para responder a perguntas sobre uma série de temas apresentados por seus fãs. Deryck Whibley, Cone McCaslin e Tom Thacker sentaram-se para nos dizer tudo sobre o próximo álbum da banda e mais coisas que aconteceram nos últimos anos.

– Qual é o tema geral em relação ao conteúdo das letras para o novo álbum? -Eric, Alabama

Deryck: Parece que é um pouco como o volume 2 de Screaming Bloody Murder. Se SBM era a minha vida, com o fim e depois do meu divórcio, este, até agora é liricamente na ordem do dia que voltei para casa das turnês em diante, levando minha vida fora de controle.

– Algumas das canções do novo álbum será inspirado pelo que você passou e sua recuperação? -Jason, Georgia

Deryck: Sim. Tudo o que se passa na minha vida acaba por sair nas minhas letras. Eu diria que o álbum narra desde o começo do fim para o final e, em seguida, assim por diante. Eu sempre tento encontrar uma maneira de não ser exageradamente óbvio. Eu gosto de brincar com as palavras um pouco. Eu não gosto de soar como um diário, mas eu quero que ele tenha honestidade, como se fosse um.

– Quem está na bateria neste álbum e quem você está pensando em chamar para tocar com vocês em turnê? -Zack, Califórnia

Deryck: Frank Zummo tocou toda a bateria. Ele é uma fera na bateria. Nós começamos a tocar juntos antes de eu mesmo escrever. Estávamos apenas tocando e se divertindo. Quando eu tive meu primeiro lote de canções, registramos alguns. Quando eu terminar de escrever, vamos voltar ao estúdio e gravar o resto.

– Vocês têm viajado o mundo e provavelmente tocado em milhares de locais diferentes. Existe um local específico ou festival que vocês sempre quiseram tocar, mas não tocou ainda? -Lesley, Holland

Tom: Sim, nós tocamos em quase toda parte. De Albuquerque (Novo México) até Zagreb (Croácia). Nos tocamos na China, o que foi muito estranho. Os funcionários que escolheram o nosso setlist,  falaram as canções que podíamos e não podíamos tocar. Ainda assim, eu tive uma explosão lá e adorei tocar e conhecer nossos fãs chineses. Nós fizemos tantos festivais, eu sinceramente não seria capaz de nomear todos eles. Um festival que eu gostaria de tocar que não tocamos é o Rock in Rio. Nós quase tocamos o Rock In Rio de Lisboa em Portugal há alguns anos atrás, mas infelizmente tivemos de cancelar. Esperamos ir fazê-lo no Brasil também. Nós, na verdade, ainda nem tocamos no Brasil ainda. Ouvi dizer que os fãs brasileiros são absolutamente loucos.

– Obviamente, há um novo você (Deryck) desde o último álbum. Você tem uma nova atitude e perspectiva sobre as coisas. Será que isso reflete sobre o novo álbum? -Rylan, AZ

Deryck: Eu diria que ele deve refletir. Eu realmente não penso muito sobre isso. Eu escrevo sobre mim e minhas experiências e deixo apenas as palavras sairem. Mas o meu humor e atitude sempre desempenham um papel no que sai.

– Não é nenhum segredo que a banda passou por muitas coisas nos últimos anos. O que acabou sendo a sua motivação na escolha de ir para a frente, em vez de parar completamente? Nunca houve um ponto em que a banda se questionou que era hora de acabar? -Jordan, Arizona

Cone: Quando terminamos o último ciclo de turnê e todos nós seguimos nossos caminhos separados. Eu não pensava em desistir, mas eu achava que a banda estava implodindo um pouco em diversas maneiras. Eu não tinha certeza se nós íamos continuar novamente. Eu amo tocar ao vivo e gravar álbuns. Eu sabia em minha mente que eu queria fazer isso de novo, mas eu não tinha certeza se o Sum 41 estaria fazendo isso de novo. Deryck e eu nos reconectamos após uma longa pausa e falamos sobre os últimos anos de turnê, o que havia acontecido, e como nós dois sentimos a respeito de tudo e uns aos outros. Nós estávamos realmente apenas se tornando amigos novamente. Quando chegamos a falar sobre novas músicas e tocar shows outra vez eu estava dentro. Então agora estamos aqui.

– Quando você escreve uma música, você geralmente tem a melodia vocal e depois adiciona os instrumentos, ou você primeiro tem uma guitarra ou algo assim, então você adiciona os vocais? -Romain, França

Deryck: Eu sempre começo com a música. Assim que eu tiver a ideia básica dela, eu começo a subir com os vocais.

– Qual é a música mais significativa que você já escreveu? Quero dizer, em termos de letras? -Ophélie, França

Deryck: Eu diria que “Pieces” é uma das canções mais importantes para mim. Eu senti que era a primeira vez que escrevi uma canção muito pessoal e emocional. Ela me deu a confiança para fazer mais coisas dessa forma.

Como você define o sucesso do Sum 41? Você se preocupa mais sobre sucesso de crítica, comercial ou artístico? Existe algo que realmente faz você se sentir como se tivesse feito algo grande? Eu acho que todos vocês são sucessos impressionantes! -Elizabeth, Virginia

Cone: Eu acho que para mim sucesso é ser capaz de continuar a turnê por todo o mundo e ainda ter uma base de fãs. Você não pode olhar para as vendas de álbuns de sucesso e eu raramente leio as opiniões. Sucesso de crítica eu não levo em consideração. Quando toco em shows e as pessoas comparecem, é isso que eu acho que nós nos tornamos uma banda de sucesso.

– Em comparação com seus álbuns anteriores, que sentido tem este novo álbum? Old-school e mais selvagem Sum 41 como “Half Hour Of Power”, “All Killer No Filler”, etc, ou o novo Sum 41 mais sério como “Screaming Bloody Murder”? -Dyl, Michigan

Cone: Eu acho que este é mais ao longo das mesmas linhas que SBM e Chuck musicalmente. É um álbum mais agressivo mais pesado até agora que o All Killer ou Half Hour Of Power, mas melodicamente ele ainda tem algumas vibrações do All Killer e Does this Look Infected, tem essas melodias cativantes. Não é um álbum de metal em tudo, mas a sonoridade é pesada e há um monte de coisas rápidas demais.

– Você acha que o Canadá está perdendo a sua presença musical? Qual direção que você vê para a cultura musical do Canadá no futuro? Você sente que ainda terá o mesmo impacto influente sobre as novas gerações, como no passado? -Tyson, Ontário

Tom: Hoje em dia todo mundo tem acesso a praticamente todo artista ou plataforma de músicas através do Twitter / Instagram / Facebook etc. Você pode até começar seu próprio site / blog / vlog grátis e comunicar-se diretamente dentro da indústria. Portanto, há praticamente ilimitadas avenidas que você pode tomar para ter sua voz ouvida.

Na verdade, é difícil imaginar onde a cultura da música canadense esta dirigida desde que a indústria da música mudou tanto e tão rapidamente na última década. Eu acho que os artistas vão se tornar mais independentes, o que é ótimo, pois é mais fácil de obter exposição agora através de plataformas de mídia social. Os artistas podem fazer música do seu jeito, promovê-los e comercializá-los do seu jeito também, em vez de ter que responder a um diretor do programa ou gravadora.

Porém, MuchMusic era um canal de música incrível que expôs todos os telespectadores canadenses, inclusive eu, basicamente, para todos os gêneros de música, underground ou mainstream. Eles não são realmente um canal de música mais, mas eles ainda oferecem subsídios através do MuchFACT, disponíveis para artistas canadenses que permitem que qualquer músico faça um vídeo / site / EPK que eles não podem de outra forma ser capaz de suportar. Há também o FACTOR, que também oferece suporte aos artistas https://factor.ca.

Com fundações como MuchFACT e FACTOR no lugar para ajudar a apoiar o talento canadense, eu não posso imaginar o Canadá perdendo sua presença musical. Eu já me beneficiei destas organizações muitas vezes e por isso eu conheço muitos artistas canadense. Eu acho que os canadenses serão sempre influentes nas artes; está em nosso sangue. Apoiamos música porque amamos música.

FONTE: PLEDGEMUSIC

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: