A história por trás de 13 Voices

13voicess

No novo site do Sum 41, tem um texto falando sobre a história por trás do novo álbum 13 Voices, confira a tradução a baixo:

O multipremiado Sum 41 encerrou sua última turnê em 2013, quando terminou um ciclo de shows que começou em 2011 para divulgar o disco Screaming Bloody Murder. Foi uma das giras mais extensas e de maior público para a banda, e marcou o período em que o grupo canadense recebeu indicação ao Grammy pela primeira vez. Como nem tudo é perfeito, nessa fase, o vocalista, guitarrista e produtor Deryck Whibley estava à beira da destruição.

“Não sei em qual momento exato me coloquei no limite. Foi mais como um acumulo de muitas coisas, então, me vi dentro de uma névoa de festas e bebida. Tentei me separar de toda e qualquer responsabilidade”, recorda Whibley. Depois de um ano de excessos, ele encontrou-se brigando pela própria vida em um hospital de Los Angeles.

Whibley ficou boa parte de abril e maio de 2014 na UTI, com a mãe e a noiva o ajudando. Quando finalmente saiu da internação, percebeu que a jornada estava no início. Foi então que o músico começou a escrever, enquanto era submetido a um intenso tratamento. “Ficar sóbrio me fez perceber que as únicas coisas que eu realmente me preocupava eram a música, fazer um disco e ficar cada vez melhor para que eu pudesse voltar ao palco novamente”, revela.

“Escrever canções para o Sum 41 me deu um propósito e eu comecei do zero com absolutamente nada para trabalhar. Gostava de colocar filmes sem som e começava a escrever riffs de guitarra e músicas para as imagens. Principalmente filmes de Tim Burton e Quentin Tarantino, como Edward Mãos de Tesoura, Sweeny Todd, Kill Bill e Bastardos Inglórios. O processo me levou em uma direção que eu nunca tinha ido antes”, relembra.

Em pouco tempo, Whibley reuniu os companheiros em sua casa em Los Angeles para trabalhar nas faixas daquele que seria o sexto álbum de estúdio do grupo, 13 Voices. O registro inclui um retorno surpresa do guitarrista Dave Brownsound, que se separou da banda uma década antes. A primeira composição que Dave tocou guitarra foi em “Goddamn I’m Dead Again”, uma prova de que os riffs vieram para definir que o Sum 41 está de volta. Atualmente, completam o time: Cone McCaslin (baixo), Tom Thacker(guitarra) e Frank Zummo (bateria).

Whibley produziu e criou 13 Voices inteiramente sozinho em sua casa. As baterias foram concebidas na sala de estar, com amplificadores de guitarra nos quartos. O resultado final é um dos mais intensos, catárticos e melhores trabalho do Sum 41 em anos. O álbum foi escrito com otimismo e fala das necessidades de Whibley antes de ele ser capaz de levantar novamente.

Em 13 Voices, percebe-se o Sum 41 como uma unidade, colocando tudo o que tem para fora. “Eu não posso dizer se este é o nosso melhor álbum ou não, porque eu não sei se é”, afirma Whibley. “Tudo o que posso dizer é que fiz o melhor que poderia durante o período mais difícil da minha vida.”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: